8 Segredos para manter uma vida sexual prazerosa

Ter um relacionamento saudável eroticamente é importante para o casal. Com o tempo a rotina pode dificultar essa parte de relação, portanto, é necessário conhecer alguns segredos para manter uma vida sexual prazerosa.

Fazer com que seu parceiro (a) fique satisfeito e melhorar as relações sexuais, é uma das maneiras de completar a convivência a dois. É comum cair na rotina e desenvolver alguns obstáculos que afetem essa parte do relacionamento, mas é possível contornar a situação e alcançar uma vida sexual saudável e com mais prazer.

Confiram a seguir os conselhos para melhorar sua vida sexual.

1) Cuidar da saúde

Para uma relação sexual satisfatória é importante a ausência de fadiga e estresse, bem como problemas médicos (deficiência de testosterona, depressão , ingestão de uma droga que inibe o desejo sexual, etc.).

A prática de exercício físico em uma base regular é um potenciador da nossa libido, uma vez que aumenta a produção de testosterona e melhora as condições emocionais.

2) Descubra o que você gosta

Para desfrutar de uma relação sexual é preciso se conhecer bem. Identifique seus desejos eróticos, toque seu corpo, descubra o que te excita, etc.

Se o casal tiver esse autoconhecimento erótico continuado de forma individual, o encontro entre os dois será muito mais proveitoso e agradável.  Aqui a comunicação também é vital, confiança e intimidade entre eles.

3) Deixe-se levar

Não tenha medo de tentar coisas novas ou de se entregar ao momento. Deixar-se levar ajuda a fluir melhor o envolvimento entre o casal, aumenta a sensação da libido e contribui para intensificação do desejo.

4) Inovar

Com o tempo, alguns estímulos perdem sua eficácia. A solução passa pela exploração contínua de estímulos de qualquer tipo (visual, tátil, auditivo, olfativo, etc.). Também pela descontextualização das relações sexuais e pela busca de alternativas (variando o contexto, hábitos, posições, brinquedos eróticos, ritmo, fantasias, entre outros).

5) Saber que o intercurso é apenas uma opção

Adotar a ideia de uma sexualidade finalista, onde tudo é feito para um fim, que é o ato sexual e o orgasmo, e tudo o que foi dito acima é secundário, é o resultado de uma ideia excessivamente genital de sexualidade.

Nosso órgão sexual é todo o corpo, não apenas os genitais . O coito é uma opção, mas não precisa ser o único modo de se divertir com seu parceiro. De fato, o intercurso, quando considerado o elemento essencial para o sexo, gera muitos problemas, como a ansiedade. Você tem que aprender a jogar outras coisas.

Há casais que, em determinados momentos, têm menos coito, mas não param de beijar, ficar de mãos dadas, abraçar e dormir nu, ficar apenas no sexo oral, e em grande parte ainda estão satisfeitos no plano erótico.

Portanto, não é preciso seguir um roteiro, a penetração em si não é a única forma de prazer. Converse com seu parceiro e descubra outros meios.

6) Apostar em um relacionamento saudável

A ausência de conflitos no relacionamento do casal é uma das melhores previsões para melhorar a saúde sexual. Você tem que cuidar do casal. Para algumas pessoas, o relacionamento sexual do casal tem sido uma obrigação, e não uma fonte de prazer e satisfação.

Uma experiência insatisfatória após a outra, muitas vezes leva a uma perda de interesse sexual, se não uma rejeição do parceiro.

7) Tenha uma atitude positiva

A dimensão sexual está intimamente relacionada com a mente. Pode ser que os problemas da vida cotidiana afetem as relações sexuais. Você tem que evitar que a sexualidade seja prejudicada por problemas de trabalho.

Também é importante libertar-se mental e emocionalmente de qualquer preconceito negativo em relação ao sexo. Para isso, é preciso dar maior importância às fantasias sexuais em qualquer contexto da vida cotidiana e, mais especialmente, antes, durante e depois do sexo.

8) A frequência que o casal deseja

Não há frequência ideal para fazer sexo, ou um número de orgasmos por dia, pois há quem podem ter até dois ou três por ano e isso pode ser suficiente se a pessoa considerar.

A idade em que o homem é mais poderoso e consegue o máximo de orgasmos chega a ser entre 15 e 25 anos. Em contraste, a plenitude da vida sexual nas mulheres aumenta entre 35 e 50 anos.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Fechar Menu